Crónica

Persona para meninos

“A vida boa não é algo genérico, fabricado em série, mas só existe por medida. Cada um precisa de a ir inventando de acordo com a sua individualidade, única, irrepetível… e frágil.” Fernando Savater

A personalidade, por definição é o que nos caracteriza.

Todavia, ainda que a definição deste termo possa ser apresentada sem quaisquer dificuldades, é importante realçar a ideia de que o próprio conceito de personalidade é inerente a uma complexa simbologia.

Sendo um atributo exclusivo de cada um de nós assume-se como sendo “(…) única, irrepetível e frágil”. Neste sentido a derradeira questão prende-se com a sua formação.

Em primeiro lugar, podemos admitir a influência da hereditariedade na sua construção. Todavia, esta perspectiva poderia ser considerada demasiado redutora.

Neste sentido, acrescentamos o papel do ambiente que nos envolve e condiciona.

Finalmente, o valor da nossa experiência pessoal. Sendo a personalidade única, deverá ser, inevitavelmente, o resultado das nossas vivências pessoais e da nossa criatividade em dar resposta às situações que a vida nos apresenta.

Por outro lado, a experiência pessoal é o que de mais íntimo existe sendo, por isso, insubstituível. Constitui uma aprendizagem  individual cujo valor nunca se equipará, de modo algum, à sabedoria dos demais.

Post anterior

Palestra sobre Exploração de Petróleo no Algarve

Próximo post

Natal em Portimão

Francisca Marques

Francisca Marques

Diretora & Editora-chefe da secção Crónica

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *