Disce

Distinção

Que seja na vontade
De distinguir
A mentira da verdade
Que as artimanhas
Das altas montanhas
Soltem perante a vila
Uma enorme avalanche.
O rio que congele,
Que termine a corrente
E que os olhos impessoais
Aceitem conhecer o seu criador.

Que se volte a erguer
Como Lazáro, o soldado
Sem quedas dadas
E que sofra das coisas frias
A pessoa mais quente.
Agora pronto está aquele,
Maior dos hereges,
O que venera o caos
E não distingue
O que sai da boca sem filtro.

Post anterior

É Carnaval!

Próximo post

Samba com o LOL!

João Palma

João Palma

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *