O café é uma das bebidas mais apreciadas, sendo, a seguir à água, a bebida mais consumida em todo o mundo. De acordo com vários estudos, 9 em cada 10 adultos portugueses bebem, pelo menos, um café por dia. Estima-se, também, que cada português consome cerca de 4,7 kg de café por ano.

Uma das substâncias presentes no café é a cafeína. Mas esta não se encontra apenas no café, mas também no chá, onde se encontra sob a designação de teína, no cacau, e em muitas outras plantas. A cafeína é o estimulante natural mais famoso e está presente em várias bebidas, chocolates e fármacos, o que pode influenciar a quantidade de cafeína ingerida por cada indivíduo.

Depois de ser ingerida, a cafeína demora cerca de 45 minutos até ser absorvida pela corrente sanguínea, e é a partir daí que começa a fazer efeito, e mantém-se em circulação durante 4 a 10 horas. Esta substância não se acumula no organismo, sendo excretada pela urina. Como a eliminação pelo organismo é mais lenta, o efeito estimulante converte-se numa sensação de fadiga, o que incentiva o consumo de mais café, sendo, por isso, uma substância que pode causar dependência.

A cafeína atinge o sistema nervoso central, bloqueando a ação da adenosina, que é uma substância calmante, e estimula a produção de adrenalina.

A dose diária recomendada de cafeína, para adultos, é entre 200 a 300 mg, o que corresponde a dois ou três cafés por dia, ou então cinco chávenas de chá. Esta dose de cafeína não é prejudicial para a saúde, se for acompanhada de hábitos de vida saudáveis.

Aliás, o consumo de café e, consequentemente, a ingestão de cafeína, pode ser bastante benéfico para a saúde, desde que seja em quantidades moderadas.

Estudos provam que o café e a cafeína podem ajudar no controlo do açúcar no sangue, contribuindo para a diminuição do risco de contrair diabetes tipo II, causam um aumento da concentração, da vivacidade, da taxa metabólica e da resistência física. Têm também um efeito diurético e uma ação antioxidante. Para além disto, podem impedir o envelhecimento precoce e combater os efeitos de algumas doenças, tal como a doença hepática, a asma, o Alzheimer, demência e Parkinson, visto que a cafeína reduz, no cérebro, a produção de uma proteína anormal, designada beta-amiloide, que se acredita ser responsável pelo Alzheimer. Também pode reduzir o risco de depressão e de ataque cardíaco. Há ainda estudos que mostram que homens que bebem mais café têm menor propensão de vir a sofrer de cancro da próstata.

Mas o excesso de cafeína também pode trazer algumas complicações, como insónias, irritabilidade, ritmo cardíaco acelerado, tremores musculares e distúrbios gastrointestinais, se bem que estes efeitos são mais comuns durante apenas as primeiras vezes que se bebe café e que, à medida que o seu consumo se torna regular, estes sintomas desaparecem.

Quanto ao valor nutricional, o café é praticamente isento de calorias, contém vitamina B, fósforo, magnésio e antioxidantes. Porém, quando tomado com leite, o café impede a absorção de cálcio pelos ossos. Como é uma substância que causa de dependência, para evitar os sintomas de abstinência, deve-se beber um copo de água antes e depois de se beber café.

Assim, o café pode trazer inúmeros benefícios para a saúde mas, como tudo, deve ser consumido com moderação para não ser prejudicial.

Post anterior

Resultados finais do Projeto "Dá-me Uma Tampa"

Próximo post

"Sushi perigoso (?)"

Mariana Monteiro

Mariana Monteiro

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *