Disce

Cena de crime

Parte II

No mundo inteiro existem milhares de casos por resolver, nunca se chega a descobrir o que realmente acontece, mas este caso era diferente, Jonh, o polícia, foi o que ficou encarregue deste caso, ele tinha uma grande necessidade de apanhar o culpado porque à uns anos atrás o seu mundo tinha sido completamente virado do avesso, alguém tinha levado a sua filha (Molly), passava dias, horas, à procura , NADA, depois daquilo ter acontecido ficou com um enorme peso na consciência e achava que a culpa era dele, deu-se por fim a dar em maluco, passou noites em branco sem saber para onde ir e o que fazer para remediar a situação, passaram-se vários anos e não havia sinais da existência de Molly, ninguém sabia onde ela estava, Jonh ainda têm esperança de um dia voltar a poder abraçar a sua pequena, ele não queria que mais ninguém sentisse o que ele e Amy sentiram quando lhes tiraram os seus “tesouros”. Amy foi chamada à esquadra para prestar declarações sobre tudo o que viu, tudo ao mais pequeno pormenor porque até os pormenores irrelevantes eram importantes e podiam fazer a diferença, ao entrar por aquela porta as paredes pareciam que encolhiam cada vez mais, as paredes eram escuras, o ambiente não era muito diferente da “morgue”, foi então que o interrogatório começou:

 -Gostaria de lhe fazer umas perguntas, sente-se! Conte-me tudo o que se lembra!

 -Eu tinha acabado de chegar do trabalho, saí do carro, vi que a porta estava aberta e achei estranho, foi  quando dei caras com a minha filha deitada no chão sem se mexer…

 -Continue  por favor…

 -Eu fui a correr até ela e chamei desesperadamente por socorro!

 -Sabe se a sua filha tinha tido alguns conflitos? alguém que lhe quisesse fazer mal?

 -Que eu saiba não, a minha filha era incapaz de andar em conflitos, ela não fazia mal a uma mosca!

 -Havia mais alguém em casa?

 -Não, já há alguns anos que somos só nós as duas.

 -Quando chamou por ajuda veio alguém em socorro?

 -Sim, o nosso vizinho!

Post anterior

Bitcoin: Pode algo que não existe valer muito?

Próximo post

Eficácia nula

Patrícia Teixeira

Patrícia Teixeira

Edita da secção Disce

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *