Escola

“Uma volta ao mundo com leitores”

Na passada segunda feira, dia 27, mergulhamos na apresentação do livro “Uma volta ao mundo com leitores”, da autoria de Sandra Barão Nobre.
A autora começou por contar o percurso da sua vida. Nasceu em França, mas acabou por se mudar para Portugal, mais concretamente Portimão, frequentando a nossa escola nos seus anos de secundário. Segundo a autora, foram nessas viagens entre Portugal e França que sentiu nascer o “gene de viajante” em si. Licenciou-se em Relações Internacionais, porém percebeu que toda a formalidade e burocracia envolvida nessa área não se identificava com o que a autora imaginava para o seu futuro profissional, seguindo oportunidades de trabalho em editoras e projetos como um blog de sua autoria, o “Acordo Fotográfico”.
Após episódios muito marcantes na vida da autora e imensos anos a trabalhar no escritório de uma grande empresa editorial, Sandra Nobre decide abrir um mapa no chão da sua sala e seguir um sonho antigo: uma volta ao mundo. Ao embarcar nesta aventura manteve um diário de viagem onde narrou as suas viagens e entrevistas com leitores nos 14 países que visitou, tornando-se esse diário no livro que nos apresentou.
Ao longo da sua apresentação, projetou imagens de tirar a respiração dos sítios que visitou como o Brasil, Austrália, Vietname, Macau, Timor, entre outros, e, no fim, numa sessão bastante enriquecedora de perguntas e respostas a autora narrou os momentos mais marcantes da sua aventura, aconselhou os jovens escritores presentes naquela sala e mostrou-nos que o mundo não é tão dominado pelo mal como as noticias o fazem transparecer, que ainda há esperança na humanidade.
A autora não só apresentou o seu livro como conseguiu, também, inspirar os presentes a seguir os seus sonhos e a não perder a esperança, porque nem sempre o nosso trabalho é reconhecido à primeira, aliás o livro que Sandra nos apresentou foi rejeitado duas editoras, antes de ser editado pela Relógio d’Água, a sua editora preferida. Mostrou-nos que uma volta ao mundo não é a utopia estereotipada que pensamos ser, que é possível, enriquecedora e marcante para a vida.

Post anterior

Quanto gasta, em média, um consumidor em música por ano?

Próximo post

Bitcoin: Pode algo que não existe valer muito?

Jéssica Santana

Jéssica Santana

Aluna convida a participar no Jornal com um texto próprio

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *