Disce

A Rapariga dos Olhos Negros III

Os fortes raios solares entram pela janela, forçando-me a abrir os olhos, volto-me para o lado até ficar de costas para a janela, ainda não estou pronta para me levantar. Abro os olhos, algo desperta a minha atenção, um telefone a tocar, estico o braço até alcançar o pequeno telemóvel preto em cima da cabeceira, o ecrã está negro e o telemóvel em silêncio, se não é este, então…

Salto da cama, passo a casa de banho e paro diante de uma estante, remexo os livros e papéis até encontrar o que procuro, tenho agora um telefone prateado na mão, quase que estremeço quando carrego no botão para atender

-Stínu? – diz uma voz em tom de incerteza

Afasto o telefone o suficiente para que não me ouça enquanto suspiro profundamente

-Nome do alvo- a minha voz é firme e ríspida, quase como se estivesse a cuspir as palavras que me saem da boca

-Otik Bedrich, ele é um empresário e …

-Não preciso de mais informações- digo, interrompendo-o – vai-lhe ser enviado o número de uma conta, cem mil coroas checas até amanhã ao meio-dia, e o trabalho será feito

-Espere! Quero que lhe diga quem ordenou o trabalho, quero que ele saiba que fui eu. Bratislav Bedrich

-Como quiser- desligo o telefone. Inspiro, expiro, envio-lhe o número da conta por mensagem, viro o telemóvel na mão e retiro-lhe o cartão, partindo-o em dois, no seu lugar coloco um novo e volto a pôr o telemóvel onde estava originalmente, agora é só esperar.

Estou sentada á mesa da cozinha quando o telefone vibra

“cem mil coroas checas foram transferidas para a conta número 7494689427036584026658 no passado dia 12-05-2019, pelas 10:12”

Agora é a minha vez de cumprir o acordo.

Post anterior

Canva uma ferramenta destinada ao design gráfico

Próximo post

Voleibol ao rubro na Teixeira

Filipa Antunes

Filipa Antunes

Editora da Secção Disce

Nenhum comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *