21 Mar 2018

A Rapariga dos Olhos Negros IV

Devia ter trazido um casaco mais quente, não estava à espera de que estivesse tanto vento cá em cima, mas devia ter calculado, afinal estou num 13º andar. Retiro uma caneta do bolso para escrever no meu bloco de notas “Dia quatro de vigilância ao sujeito Otik Bedrich, terceira hora,

Filipa Antunes 0
07 Fev 2018

A primeira carta

Sentada à janela com os cabelos ao vento, agarrada a um envelope, sinto uma ansiedade enorme por abri-lo, sinto um enorme aperto no peito que parece que o meu coração vai cair, os meus dedos tremem e uma enorme questão passava pela minha cabeça, de quem será? Finalmente ganho coragem,

Patrícia Teixeira 0
24 Jan 2018

A Rapariga dos Olhos Negros III

Os fortes raios solares entram pela janela, forçando-me a abrir os olhos, volto-me para o lado até ficar de costas para a janela, ainda não estou pronta para me levantar. Abro os olhos, algo desperta a minha atenção, um telefone a tocar, estico o braço até alcançar o pequeno telemóvel

Filipa Antunes 0
10 Jan 2018

Eu, a caneta e o café

Com a alma vazia e com o sentimento perdido, por corredores alheios, sento-me aqui neste banco sozinha, com uma caneta com mais cor que a minha vida. O café quente aconchega-me a mente, que vaguei-a por ruas desconhecidas. Estou sozinha e esta solidão gela-me o corpo. Os meus pensamentos tornaram-se

Luísa Fidalgo 0
27 Dez 2017

A Rapariga dos Olhos Negros II

Algumas das minhas primeiras memórias são dos meus treinos, a frase “ninguém nasce ensinado” adequa-se perfeitamente ao meu caso, foi o meu tio Kral que me ensinou tudo aquilo que sei, como me mover no silêncio, como passar despercebida, como interpretar os gestos das pessoas que me rodeiam e até

Filipa Antunes 0
13 Dez 2017

Cena de crime

Parte II No mundo inteiro existem milhares de casos por resolver, nunca se chega a descobrir o que realmente acontece, mas este caso era diferente, Jonh, o polícia, foi o que ficou encarregue deste caso, ele tinha uma grande necessidade de apanhar o culpado porque à uns anos atrás o

Patrícia Teixeira 0
29 Nov 2017

A Rapariga dos Olhos Negros

Eu nunca fui, nem nunca serei a vossa típica adolescente, os vossos problemas e os vossos medos não são os meus e o meu trabalho e aquilo que faço é algo que faria pessoas tremerem, mas eu nem sempre fui assim, eu tal como vocês nasci inocente, mas a vida

Filipa Antunes 0
15 Nov 2017

Cena de crime

Parte I Na vida temos de aproveitar cada segundo até ao fim, infelizmente pode acabar num piscar de olhos, num estalar de dedos e algumas pessoas podem não ter tanta sorte. Chealsea foi encontrada no meio daquelas quatro paredes, suspeita-se de homicídio, ouvem-se boatos pelas redondezas da vizinhança de que

Patrícia Teixeira 0
04 Jul 2017

Borboletas Azuis

Na solidão alcança-se a penumbra que permite, a vida que, se alcançasse, não fazia do tempo tendinite. As decisões são borboletas, são a escolha de diferentes dimensões em que somos marretas, ou um mundo de doentes. No caos da decisão só se nota na beleza subtil do tempo e, já

João Palma 0
21 Jun 2017

Fim do Terceto

Adeus ao terceto anual que, no fim, mais negativo foi do que o positivismo inicial. Se otimismo fosse lei, teria acabado nas masmorras. Durante este tempo ocultei, todos os males da instituição e aguardei para despejar este cuspo perante vós e também para vós. Em primeiro, a instituição central e

João Palma 0