07 Fev 2018

A primeira carta

Sentada à janela com os cabelos ao vento, agarrada a um envelope, sinto uma ansiedade enorme por abri-lo, sinto um enorme aperto no peito que parece que o meu coração vai cair, os meus dedos tremem e uma enorme questão passava pela minha cabeça, de quem será? Finalmente ganho coragem,

Patrícia Teixeira 0
24 Jan 2018

A Rapariga dos Olhos Negros III

Os fortes raios solares entram pela janela, forçando-me a abrir os olhos, volto-me para o lado até ficar de costas para a janela, ainda não estou pronta para me levantar. Abro os olhos, algo desperta a minha atenção, um telefone a tocar, estico o braço até alcançar o pequeno telemóvel

Filipa Antunes 0
10 Jan 2018

Eu, a caneta e o café

Com a alma vazia e com o sentimento perdido, por corredores alheios, sento-me aqui neste banco sozinha, com uma caneta com mais cor que a minha vida. O café quente aconchega-me a mente, que vaguei-a por ruas desconhecidas. Estou sozinha e esta solidão gela-me o corpo. Os meus pensamentos tornaram-se

Luísa Fidalgo 0
13 Dez 2017

Cena de crime

Parte II No mundo inteiro existem milhares de casos por resolver, nunca se chega a descobrir o que realmente acontece, mas este caso era diferente, Jonh, o polícia, foi o que ficou encarregue deste caso, ele tinha uma grande necessidade de apanhar o culpado porque à uns anos atrás o

Patrícia Teixeira 0
15 Nov 2017

Cena de crime

Parte I Na vida temos de aproveitar cada segundo até ao fim, infelizmente pode acabar num piscar de olhos, num estalar de dedos e algumas pessoas podem não ter tanta sorte. Chealsea foi encontrada no meio daquelas quatro paredes, suspeita-se de homicídio, ouvem-se boatos pelas redondezas da vizinhança de que

Patrícia Teixeira 0
04 Jul 2017

Borboletas Azuis

Na solidão alcança-se a penumbra que permite, a vida que, se alcançasse, não fazia do tempo tendinite. As decisões são borboletas, são a escolha de diferentes dimensões em que somos marretas, ou um mundo de doentes. No caos da decisão só se nota na beleza subtil do tempo e, já

João Palma 0
21 Jun 2017

Fim do Terceto

Adeus ao terceto anual que, no fim, mais negativo foi do que o positivismo inicial. Se otimismo fosse lei, teria acabado nas masmorras. Durante este tempo ocultei, todos os males da instituição e aguardei para despejar este cuspo perante vós e também para vós. Em primeiro, a instituição central e

João Palma 0
06 Jun 2017

Extinção

Da saudosa vontade inútil de um dia ver o erudito subir a revoltoso, imaterial, inconcebível, imortal e inocente, culpado de todos os crimes pelos quais a humanidade morreu, pelos quais tiveram de sofrer o terrível fado da extinção. Desaparecidos são mais do que foram na sua efémera, incrivelmente desnecessária, existência.

João Palma 0
23 Mai 2017

Congratulação

Parabéns a todas as ideias defendidas com emoção, a maior qualidade que corre nas veias, a de ter um forte coração e coragem não ficar a meias. Parabéns à réstia de sensualidade que ainda, rara, vive no meio desta perdida humanidade que se apresenta num eterno declive, essa beleza é

João Palma 0
09 Mai 2017

Atenção Pseudosocial

Uma luz, uma foto, outra luz ainda mais fútil e assim se esquece do voto com um ecrã inútil. Podem as grandes obras ruir ao nosso redor que, como víboras, sufocamos o roedor, ou o roedor a nós que transpiramos matéria fecal em uníssono como humanos numa rede pseudosocial. A

João Palma 0